Início>Crónica>O Vizinho
Vizinho
Crónica Desenvolvimento Económico & Social Última Edição

O Vizinho

O Vizinho

De manhã bem cedo encontro o vizinho no patamar da escada. Bem velho, bem zangado, bem documentado.

O país que temos vale pouco ou perto de nada. As pessoas que o compõem não têm vergonha, têm umbigo, e à volta dele gira um mundo individual de cada uma delas.

Bem feitas as contas e é reparar que existem milhões de mundos diferentes e não existe um único mundo comum. Ergue-me o dedo ao alto e defende a educação. Acena com a cabeça e afirma que a força do trabalho já moveu montanhas, que a dignidade dos valores já edificou casas, que a união da família já salvou vidas inteiras, que a palavra já valeu por um papel.

Anúncio

Hoje não sabe onde está, sabe apenas que não pode sair de carro desde ontem, ficou trancado por um outro que resolveu barricar a entrada da garagem.

Conversa puxa conversa e afirma-me que certamente será do jovem que urina no muro do prédio pela manhã, uma vergonha.

Prossigo caminho e amaino pensamentos. Atravesso o dia e encontro a noite, quente demais para o Outono que nunca mais chega. Apresso-me na chegada e por coincidência encontro o mesmo vizinho, bem velho, um pouco menos zangado.

Já tivera ordem de saída, era um carro que avariou o sistema electrónico de sobrevivência. Perante a chuva, em vez de fechar abria os vidros, carecia de ser protegido. Uma desculpa esfarrapada, diz-me, não me convenceu. Já vinha a rir-se, subiu devagar. A menina vem cansada, prossegue. Ideia sua, deixo transparecer. Olhe que eu sou velho mas sei da vida, diz-me antes de entrar à porta.

Sigo e penso no que me vendeu de manhã. A força do trabalho, a dignidade dos valores, a união da família, a solidez da palavra. Entro e arrepio-me, subiu-me um frio da espinha, certamente uma ponta de ar.

Sinto-me ali perdida. Presa na convergência da sabedoria ancestral, a segurança dos mais velhos. A mesma que tenta toldar os mais novos, e a bem da verdade, nortear o mundo nos trilhos da estagnação. Não deixa por isso de ser sentida com uma espécie de credulidade nostálgica, assente no respeito, na confiança e na dedicação.

Respirei fundo e deixei-me ficar.

Veja outras crónicas de Carla Raposo Ferreira

Carla Raposo Ferreira, é Psicóloga e escreve às Segundas-feiras no Rio Maior Jornal.

Anúncio

Anúncio

Anúncio

Carla Raposo Ferreira
Psicóloga, Terapeuta do luto. Exerce clínica privada nos distritos de Santarém e Leiria.