Início>Atualidade>A EUROPA SOB PRESSÃO
Pressão na Europa

A EUROPA SOB PRESSÃO

A EUROPA SOB PRESSÃO

Esta semana o meu artigo para RM Jornal, vai abordar essencialmente o perigo de instabilidade política global, os efeitos da guerra na Ucrânia e o aumento das tensões nos países europeus. Estamos a ver presentemente nos Balcãs Ocidentais, a Rússia a tentar reafirmar a sua influência. Assim, mais do que nunca, a União Europeia, deve mostrar que é um parceiro útil e confiável para todos os países europeus, independentemente da sua relação formal com a UE.

Num mundo que se divide, a União Europeia deve fazer da confiança no projeto europeu uma prioridade estratégica para garantir a sua coesão. Na minha modesta opinião, vai ser muito difícil manter a coesão se a guerra da Ucrânia se prolongar no tempo.

Os graves problemas energéticos e uma falta satisfatória de alternativas, vai pressionar os Estados e governos europeus a tomarem medidas fora do âmbito comunitário. E isso, vai gerar confusão.

Anúncio

Anúncio

Senão vejamos, o presidente da Assembleia Nacional da Hungria (parlamento), Laszlo Kover, disse recentemente que a União Europeia pode ser considerada uma perdedora no conflito ucraniano, já que o bloco tem atuado contra seus próprios interesses económicos.

Disse ainda, que a União Europeia “está sob pressão externa, é incapaz de restabelecer a paz diplomaticamente, está agindo contra seus interesses fundamentais e pode ser considerada uma perdedora independentemente de qual dos lados diretamente envolvidos em operações militares se apresente no inverno “. Segundo a agência de notícias MTI da Hungria. Para Kover, nos contextos atuais, Bruxelas tem “servido a grupos de interesses não europeus“, o que sentencia a UE e seus países membros à “vulnerabilidade militar, dependência política, inviabilidade económica e energética e desintegração social”.

Outras preocupações surgem com a inflação no mundo, mas, com especial destaque para a zona euro. O presidente do banco central da Alemanha (Bundesbank), Joachim Nagel, abriu, caminho a novas subidas “significativas” das taxas de juro, face ao aumento da inflação e ao risco de recessão.

Se a situação inflacionista permanecer como está, outros passos significativos terão de ser dados“, avisou, falando na existência de “indicações que mostram que a inflação se está a espalhar por muitas áreas” da economia.

O presidente do Bundesbank estimou que a taxa de inflação na Alemanha possa atingir um nível “superior a 10%” num ano no mês de dezembro, período que deverá, na sua opinião, constituir o pico inflacionista atual. Considerou ainda, “possível” que a Alemanha, a maior economia da Europa, entre em recessão no terceiro e quarto trimestres deste ano, e assim permaneça no início do próximo ano.

Em Portugal a taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) – taxa de inflação em Portugal – terá diminuído para 9,0% em agosto, face aos 9,1% em julho, segundo a estimativa rápida divulgada em 31 de agosto de 2022, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Com os dados atrás referidos, torna-se evidente, uma acentuada perda de rendimentos por parte dos portugueses. Sei que não existem milagres para a resolução da perda de rendimentos, mas, uma coisa é certa, o descontentamento dos cidadãos é cada vez maior e, não é só em Portugal.

Veja outras crónicas de João Teodoro Miguel

Assine o RMJORNAL

Anúncio

Anúncio

Anúncio

João Teodoro Miguel
João Teodoro Miguel, é natural de Rio Maior. Foi empresário até 2008. Teve uma breve passagem pela política como independente. É Mestre em Economia, Políticas e Culturas. Pós-graduado em Gestão e Organização Industrial. Diplomado no Programa Avançado de Economia e Gestão de Empresas de Serviços de Águas. Foi investigador na Universidade Lusófona. Atualmente é reformado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.