Início>Desenvolvimento Económico & Social>ESPERANÇA MÉDIA DE VIDA, ANTECIPA IDADE DE REFORMA 3 MESES
esperança média de vida

ESPERANÇA MÉDIA DE VIDA, ANTECIPA IDADE DE REFORMA 3 MESES

Pandemia faz baixar a esperança média de vida.

O Instituto Nacional de Estatística (INE), revelou na última segunda-feira, que a esperança média de vida aos 65 anos desceu para 19,35 anos, entre 2019 e 2021. Assim, em 2023, a idade normal de acesso à pensão vai cair para 66 anos e quatro meses. A origem deste recuo é da pandemia que nos assola.

A idade da atribuição de reforma é determinada, pela aplicação de uma fórmula que tem em conta a evolução da esperança média de vida aos 65 anos. O INE, divulgou que o valor provisório desse indicador foi avaliado em 19,35 anos, o que compara com os 19,69 anos registados no triénio anterior. Em causa está uma quebra de 0,34 anos, que é explicada pela mortalidade causada pela crise pandémica.

Com estes valores, é agora possível prever que a idade de acesso à pensão de velhice para 2023 será de 66 anos e quatro meses, isto é, vai baixar três meses em relação à idade da reforma aplicada em 2022, que será de 66 anos e sete meses, depois de ter aumentado durante dois anos consecutivos, em 2021 e em 2022.

Anúncio

Anúncio

Com estes novos dados e tendo em cálculo os óbitos causados pela pandemia de coronavírus, e, se, 2021 decorrer como 2020, então é certa uma redução da esperança média de vida aos 65 anos. Isto porque ao aumentar a mortalidade, a pandemia fez a esperança de vida recuar, ao contrário do que é habitual. Salientando-se, que esse será o primeiro recuo da esperança média de vida aos 65 anos desde há muitos anos.

No entanto, o desafio demográfico cria pressão sobre os sistemas de segurança social e, a necessidade de tomar medidas de equilíbrio são imprescindíveis para a Sustentabilidade dos sistemas de pensões. Aliás, Portugal tende a apresentar um cenário futuro caracterizado por um sistema da Segurança Social deficitário e de rutura dos recursos financeiros do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, pelo que será indispensável a adoção de políticas públicas visando caucionar a sustentabilidade do sistema de previdência portuguesa.

João Teodoro Miguel escreve às quintas feiras no Rio Maior Jornal

Veja outros artigos de João Teodoro Miguel

Anúncio

Anúncio

Anúncio

João Teodoro Miguel
João Teodoro Miguel, é natural de Rio Maior. Foi empresário até 2008. Teve uma breve passagem pela política como independente. É Mestre em Economia, Políticas e Culturas. Pós-graduado em Gestão e Organização Industrial. Diplomado no Programa Avançado de Economia e Gestão de Empresas de Serviços de Águas. Foi investigador na Universidade Lusófona. Atualmente é reformado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.